Exercícios Físicos: Orientações para se ter um coração saudável
O termo “check-up cardíaco” atualmente é utilizado pelas pessoas para se referirem a uma avaliação cardiológica, no intuito de que se possa fazer a prevenção correta e adequada das principais doenças do coração. Com isso, tenta-se evitar uma interrupção abrupta da vida ou mesmo que a qualidade de vida da pessoa seja reduzida por fatalidades que poderiam ser evitadas com medidas de prevenção e orientações para uma vida mais saudável.

Antigamente, o check-up era a realização de uma bateria de exames sem critérios bem estabelecidos para averiguar a presença de alguma doença que pudesse estar oculta.

Atualmente, embora o termo seja utilizado entre leigos, o conceito mudou. Hoje, realizar check-up é fundamental, porém com critérios bem estabelecidos. Isso porque, muito mais que detectar precocemente doenças, devemos
evitar que elas apareçam.

A medicina, hoje, possui meios de detectar alterações e reverter o quadro de muitas doenças que poderiam ser fatais. Para isto, há a necessidade de uma parceria entre médicos e pacientes. No caso dos médicos, estes devem estar aptos e serem os primeiros a realizar um bom exame clínico, ao mesmo tempo em que reconhecem as necessidades de cada indivíduo.

Já os pacientes devem sempre procurar informações em fontes confiáveis, compreender a importância na mudança de atitudes e aderir às alterações propostas.

Realizar uma avaliação cardiológica é muito importante, principalmente, em homens acima de 40 anos e em mulheres na fase do climatério, período em que aumentam os índices de infarto. No entanto, esta avaliação deverá ser antecipada quando:
  • possuem histórico familiar de infarto ou morte súbita (principalmente em parentes de primeiro grau);
  • pais ou irmãos com aumento do colesterol;
  • sintomas como falta de ar, palpitações e dores no peito;
  • medidas de pressão freqüentemente acima de 135x90 mmHg;
  • tabagistas;
  • diabéticos;
  • doença cardíaca na infância ou sopro cardíaco;
  • planejam realizar a prática esportiva;
  • apresentam sobrepeso ou obesidade.

A avaliação cardiológica de rotina e acompanhamento são obrigatórios para aqueles que já detectaram alterações como colesterol alto, hipertensão, diabéticos e para quem já teve infarto. Tais doenças não têm cura, porém, podem ser controladas.

Caso essas doenças não sejam controladas, o risco de complicações graves é alto, como derrame (acidente vascular cerebral) e infarto, o que afeta de forma brusca a qualidade de vida das pessoas.

A partir dos achados e de acordo com o sexo e idade do paciente, são propostos exames a serem realizados, que posteriormente são analisados e interpretados para o paciente, e uma decisão conjunta entre o médico e o paciente é então estabelecida.

INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE O CHECK-UP

Dados da Organização Mundial da Saúde, Ministério da Saúde e Sociedades Brasileiras apontam que:

  • Em 2015, aproximadamente 20 milhões de pessoas morrerão em decorrência de doenças cardiovasculares, principalmente infarto e Acidente Vascular Cerebral (AVC);
  • Fatores de riscos modificáveis são responsáveis por 80% das causas de doença cardiovascular;
  • 40% das aposentadorias precoces decorrem de AVC ou infarto;
  • 60% dos gastos com saúde destinam-se ao tratamento de doenças crônicas, passíveis de prevenção (1);
  • O descuido com a própria saúde mata 400 mil brasileiros todos os anos; com a prevenção, o País ainda economizaria cerca de R$ 11 bilhões, gastos anualmente em consultas, internações e cirurgias (incluindo transplantes) (2);
  • Já existem dados disponíveis sobre a prevalência de determinadas doenças de acordo com o sexo e idade e raça;
  • Algumas doenças podem aparecer na ausência de sintomas, como hipertensão arterial, diabetes, dislipidemia;
  • A simples medida da circunferência abdominal já pode predizer o risco de infarto.

Perguntas frequentes em relação ao Check-Up cardíaco

1- A partir de quantos anos devemos realizar um check-up cardíaco?
Todos os adultos a partir dos 20 anos de idade já deveriam realizar uma avaliação cardiológica. Antecedentes familiares podem interferir na precocidade das avaliações. Assim, crianças cujos pais possuem colesterol alto devem realizar o rastreamento a partir de 10 anos, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia.

2- O que devo fazer e de quanto em quanto tempo?
Caso a pessoa não tenha antecedentes familiares e pessoais relevantes, seguem as orientações de acordo com Sociedades Americanas, Canadenses e Brasileiras.

Aos 20 anos - medida da pressão arterial e dosagem do colesterol;

Dos 20 aos 40 anos - avaliações a cada três anos;

Dos 40 anos em diante - avaliação clínica anual com avaliação cardiológica

Quais exames são pedidos em um Check-Up?
Diversos exames fazem parte do arsenal médico para auxiliar o clínico a avaliar o risco do paciente poder apresentar alguma complicação cardíaca num futuro próximo. É importante que sejam solicitados os exames adequados de acordo com o sexo, idade e antecedentes pessoais de cada indivíduo. Também é importante que se evite de solicitar exames que não acrescentem dados à avaliação do paciente, evitando assim desperdício de tempo e dinheiro, além de desgastes psicológicos com possíveis resultados falso-positivos.

Dentre os exames mais solicitados encontram-se:

- Eletrocardiograma (“ECG”)
É o exame mais simples e de fácil e rápida execução . A maioria dos cardiologistas possuem em seus consultórios. Detecta o ritmo do coração e pode indicar problemas cardíacos já nesta fase. No entanto o eletrocardiograma normal não detecta todos os probleas cardíacos, principalmente nos casos de miocardiopatia isquêmica (coração com coronárias entupidas ou obstruídas). Este e um dos motivos pelos quais pessoas que estão infartando podem apresentar o exame completamente normal.

- Radiografia de tórax (“Raio-X de tórax”)
Exame já consagrado, auxilia na detecção de anomalias de aorta e consegue avaliar tamanho cardíaco, mas não tem precisão quando é necessário avaliar a imagem pulmonar. De acordo com a necessidade de maior definição, há necessidade de se recorrer a Tomografia Computadorizada de Tórax.

- Ecocardiograma Bidimensional com Doppler
É uma espécie de “Ultrassom do coração”. Indolor e não invasivo, o médico passa sobre o tórax do paciente um aparelho que detecta as imagens cardíacas estáticas e dinâmicas. Este exame é importante para avaliar o tamanho do coração, se há defeitos genéticos, doenças valvares e estimar o seu grau de comprometimento. Serve também para acompanhar a recuperação do coração após um infarto e cirurgias cardíacas.

- Teste de Esforço (“Teste Ergométrico”)
É o famoso teste da esteira. É importante para avaliar pessoas que tenham fatores de risco para o infarto, mostrando o comportamento do eletrocardiograma no ato de esforço. Ele avalia o comportamento da pressão arterial durante exercício e presença de arritmias complexas, além de mostrar indícios de obstrução em coronárias através da alteração do traçado eletrocardiográfico. Ele pode ser feito em diversos dispositivos, desde esteiras até bicicletas ergométricas, de acordo com as necessidades e dificuldades de adaptação de cada paciente a cada um desses aparelhos.

- Cintilografia do miocárdio (“MIBI”): induzida por esforço físico ou por fármacos
Trata-se de um exame mais avançado quando comparado ao teste ergométrico. As imagens são construídas pela ajuda da tomografia através da administração de um radioisótopo (substância radioativa , porém em uma concentração pequena). Possui uma capacidade maior de avaliar se há deficiência de irrigação sangüínea nas paredes do coração. Há indicações específicas para esse exame. O médico pode escolher que ele seja realizado através de esforço físico ou através de estímulo por fármacos, de acordo com as características e peculiaridades de cada paciente.

- Tomografia de coronárias
Este exame tem tido indicações cada vez mais crescentes. Pode ser realizado sem contraste iodado, apenas para mensurar o escore de cálcio em coronárias ou com contraste, para avaliação da anatomia das artérias coronarianas:

.Não substitui a cineangiocoronariografia, já que não há como fazer tratamento imediato pelo exame, mas auxilia na indicação de cateterismo cardíaco e intervenções mais invasivas;

.Auxilia médicos e pacientes na redução do colesterol, introdução de acido acetilsalicílico para prevenção de infarto e orientações quanto a modificação de estilo de vida, de acordo com seu resultado. Pacientes com coronárias já comprometidas por placas de colesterol, mesmo que assintomáticos (sem sintomas), deverão ser monitorados;

.É um dos métodos diagnósticos para anomalia de coronárias, uma das causa de morte súbita em atletas;

- Ressonância Magnética Cardíaca
Este exame tem tido indicações cada vez mais crescentes. É realizado sem contraste iodado, e é muito bom para avaliação de doenças no músculo cardíaco e seu envoltório, como por exemplo miocardites. Muitas de suas atribuições, como avaliação cardíaca funcional, estão sendo cada vez mais indicadas, e sua praticidade, eficácica e riqueza de imagens e informações fazem com que este exame seja cada vez mais freqüente nos pedidos dos cardiologistas.

- Aconselhamento Genético
É indicado para indivíduos com histórico familiar de morte súbita, arritmia, doença coronária, aumento do colesterol, e para familiares de pacientes com diagnósticos de Síndromes raras como Síndrome do QT longo, Miocardiopatia Hipertrófica Assimétrica, Miocardiopatia dilatada idiopática entre outras. O diagnóstico e tratamento precoce destas alterações poderão levar a um ganho na qualidade de vida destes indivíduos.

OUTRAS INFORMAÇÕES RELACIONADAS AO CHECK-UP CARDÍACO

  • Realizar atividade física regular, no mínimo quatro vezes por semana (de preferência após avaliação física e com prescrição médica adequada);
  • Não fumar;
  • Evitar bebidas alcoólicas em excesso;
  • Realizar dieta equilibrada;
  • Dirigir com segurança (não exposto às bebidas alcoólicas, usar corretamente cinto de segurança e realizar direção defensiva);
  • Reconhecer falhas e procurar o autoconhecimento. Saber lidar com ambientes que causam estresse e procurar autocontrole;
  • Cuidado com compulsões (alimentar, computadores, jogos, etc.);
  • Em casos de sintomas, procure seu médico.
  • Evite a automedicação;
  • Não esqueça de manter uma boa saúde bucal sempre.
Av. Ibirapuera, 2907 Cj. 1608
CEP: 04.029-200 - São Paulo - SP
Tel: (11) 5093-7855 | (11) 95166-6577 | (11) 2056-3600
Av. Ana Costa, 311 Cj 22
CEP: 11.060-001 - Santos - SP
Tel: (13) 3224-3546
Desenvolvimentoo Digital Net